Colunistas 
HomeColunistasCINEMÚSICA • Globo mutila filme sobre Tim Maia

CINEMÚSICA

Globo mutila filme sobre Tim Maia

Imprimir artigo Enviar este artigo para um amigo. 
Li todos os livros de Nelson Motta sobre música popular brasileira. Não o considero, necessariamente, um grande escritor, mas seus relatos são uma preciosidade histórica de alguém que viveu de perto muitas das fases de nossa música. Seus livros são leitura fácil, com narrativas despojadas e acima de tudo sinceras, sem concessões. Talvez por isso mesmo eu tenha ficado tão irritado com a decisão da rede Globo de alterar o filme sobre Tim Maia, baseado no livro de Nelson Motta, “Vale Tudo-O Som e a Fúria de Tim Maia”.

O filme “Tim Maia” é sucesso de público e crítica, os atores escalados para viver Tim na juventude e na vida adulta, Babu Santana e Robson Nunes estão fantásticos, a trilha musical ficou excelente; material de primeira, fácil, fácil de conseguir patrocinadores, produto “mamão-com-mel”, sucesso garantido para qualquer emissora. Por que cargas d’água então a rede Globo resolveu mexer no filme? Onde fica a máxima de que “não se mexe em time que está ganhando”?

O motivo não poderia ser mais mesquinho; A emissora ao alterar o conteúdo do filme, buscou preservar a imagem de um de seus mais lucrativos contratados, o “Rei“ Roberto Carlos. Quem leu o livro sabe que um dos capítulos mais importantes retrata a relação entre Tim Maia e Roberto Carlos, amigos e companheiros de banda no início de suas carreiras. Tim , depois de uma temporada mal sucedida nos Estados Unidos, procurou Roberto Carlos, pedindo ajuda financeira e profissional e foi rejeitado. Essa situação terminou por impulsionar Tim a buscar outras vias e direcionar sua carreira de outra forma, portanto, foi um episódio extremamente importante em sua biografia.

Entre as mudanças, a Globo resolveu transformar o filme em uma minissérie de dois capítulos. Até aí, tudo bem; não é o ideal, mas nada que já não tenha sido feito antes com filmes como “O Poderoso Chefão” e “E O Vento Levou”, por exemplo. O problema, é que a Globo não só retirou da série a cena na qual Roberto Carlos rejeita ajuda a Tim Maia, mas chegou ao desplante de convocar os atores originais com figurino, cenário e tudo mais para refilmar toda a cena, só para que o “Rei” ficasse, literalmente, bem na fita. Que desplante!

A decisão da Globo de mutilar o filme é absurda e até mesmo inaceitável. Pouco importa se a emissora detem os direitos sobre o filme. Nada justifica essa agressão a uma obra autoral, ainda mais por motivos tão mesquinhos e fúteis.

Há quem discorde do relato original de Nelson Motta e afirme que ele exagerou, que Roberto Carlos não foi assim tão frio com Tim Maia e até o ajudou. Mas, isso não vem ao caso; se querem discordar do filme, que o façam em um documentário, uma entrevista no Jornal Nacional, chamem RB para um Globo Repórter especial ou coisa que o valha. Mas brutalizar uma obra desse jeito é um estupro artístico!

O diretor do filme, Mauro Lima, veio à publico recentemente para expressar seu desgosto com a situação e até propôs um boicote à minissérie da Globo. Tarde demais, me parece; ele deveria ter prestado mais atenção às letras miúdas do contrato.

Mas, de forma geral, esse episódio todo não é nada surpreendente em se tratando de uma rede de televisão que altera o nome de times de vôlei, de equipes de formula 1 e de estádios para não dizer o nome de patrocinadores e até mesmo suprime informações importantes de eventos dos quais não detem os direitos de transmissão. A ética parece que passa bem longe da cúpula executiva da rede Globo…

Um abraço,

Leon Neto



CINEMÚSICA: Leon Neto é mestre em musicologia pela Universidade de Campbellsville e Doutorando em Pedagogia Vocal pela Universidade Shenandoah. Atualmente atua como professor no departamento de Louvor na Liberty University.
Este artigo foi lido 1296 vezes.
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.