Colunistas 
HomeColunistasCINEMÚSICA • “A entrevista"

CINEMÚSICA

“A entrevista"

Imprimir artigo Enviar este artigo para um amigo. 
Sabe aqueles filmes que geram polêmica mais por fatores externos do que pelo conteúdo em si? Pois esse é exatamente o caso de “A Entrevista” (“The Interview”). Não tenho dúvida de que só lembraremos desse filme no futuro por conta da reação do líder Norte-Coreano Kim Jung-un e a subsequente invasão de hackers aos computadores da Sony.

A Coreia do Norte chegou mesmo a dizer que se os EUA permitissem a exibição do filme, isso seria considerado um “ato de Guerra”! O doidivanas do Kim Jung-un deve estar tão acostumado a mandar e desmandar no sofrido povo Norte-Coreano e a escolher arbitrariamente o que eles podem ver e ouvir, que não se ligou ao fato de que o presidente dos EUA não tem poderes para impedir a exibição de qualquer filme, peça de teatro, ou show musical. Jung-un está tão acostumado a ditar as regras que pensa que Obama pode fazer o mesmo com o povo Americano.

Se já não bastasse a reação desmedida do líder Norte-Coreano, até mesmo o presidente dos EUA Barack Obama, entrou no imbróglio, chegando mesmo a dar um puxão de orelhas na Sony por ter cancelado o lançamento do filme no final do ano passado. O cancelamento por sinal, foi o que gerou maior repercussão no mundo todo. Muitas teorias da conspiração surgiram e teve quem afirmasse que tudo não passava de uma estratégia de publicidade. Verdade ou não, a situação toda acabou por divulgar o filme ainda mais. Muitos, como eu, por exemplo, ficaram curiosos para saber se toda a reação causada pelo filme tinha algum sentido. Outros viram o ataque cibernético e as ameaças do ditador Norte-Coreano como uma motivação a mais para assistir ao filme.

Só mesmo essa situação toda para justificar uma tentativa de assistir “A Entrevista”. O filme é ruim demais. Eu já não gostava do ator James Franco, mas aqui ele está absolutamente insuportável. Nem o simpático Seth Rogen se salva. O filme é um conjunto de piadas grosseiras e sem graça, com palavrões e situações chulas espalhadas por suas quase duas horas. Não há defesa para o mau gosto de “A Entrevista”. Mas, isso nem vem ao caso.

O atentado terrorista ocorrido na França contra o jornal Charlie Hebdo pouco tempo depois terminou sendo mais um componente mórbido e surreal a essa situação toda, trazendo à tona a velha discussão sobre os limites do humor. As charges do Charlie Hebdo são também grosseiras e desrespeitosas. Não me sinto na menor obrigação de defender nem o jornal nem o filme. O que defendo é o direito das pessoas de expressarem suas ideias sem correrem o risco de serem assassinadas com tiros de fuzil automático ou terem sua privacidade invadida por hackers profissionais. Isso afeta a todos nós de uma forma ou de outra.

O conceito de Liberdade abrange também o mau gosto, a grosseria e até mesmo a ofensa. Se houver abuso, que venham processos e multas, mas calar a voz de quem quer que seja é sempre algo preocupante e uma ameaça à democracia.

E no final das contas, Kim Jung-un mostrou certa burrice ao dar importância a um filme tão besta e sem valor. Se tivesse levado na esportiva, certamente teria lucrado mais e conquistado alguma simpatia mundo à fora.

Um abraço,

Leon Neto



CINEMÚSICA: Leon Neto é mestre em musicologia pela Universidade de Campbellsville e Doutorando em Pedagogia Vocal pela Universidade Shenandoah. Atualmente atua como professor no departamento de Louvor na Liberty University.
Este artigo foi lido 639 vezes.
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.